Total de visualizações de página

Horario de Brasilia

PITIMBU NOTÍCIA

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Rede quer afastar PSB do PT e PSDB


Rede quer afastar PSB do PT e PSDB
 Em meio à aproximação entre Eduardo Campos (PSB) e Aécio Neves (PSDB), a Rede Sustentabilidade, aliada do pernambucano, divulgou nota ontem para reafirmar a orientação para que seus diretórios estaduais reforcem o projeto nacional de terceira via, em oposição à polarização entre tucanos e petistas.

A nota foi divulgada depois de a ex-senadora Marina Silva, principal expoente do grupo, afirmar em entrevista no fim de semana que a aliança com o PSB "não é verticalizada" e "não estabelece para a lógica dos Estados a mesma lógica" do plano federal.

Para parte da Executiva da Rede, a declaração ensejou interpretações equivocadas e precisou ser esclarecida.

"Houve uma interpretação, principalmente da imprensa, de que a fala teria um significado diferente do que tem. Na nota, dizemos que não", diz Bazileu Margarido, coordenador-executivo da Rede.

"A declaração dela não foi uma autorização para que localmente haja alianças com o PSDB, dizendo que a situação em alguns Estados está tudo bem. A fala deixou uma ideia dúbia, que esta nota corrige", afirma o deputado Walter Feldman (PSB-SP), da Executiva da Rede.

A diretriz do grupo é não apoiar candidatos do PT e do PSDB. No texto, o partido diz que "realizará todos os esforços para que, em consenso com PSB e PPS, os Estados possam apresentar alternativas programáticas alinhadas com seu programa nacional", em alianças "comprometidas com a nova polícia".

A Rede Sustentabilidade se aliou ao PSB no início de outubro, depois de a Justiça Eleitoral ter negado o seu registro. À época, o PSB já apoiava localmente diversos governos tucanos, e Campos negociava palanques estaduais com o PSDB de Aécio para sua candidatura à Presidência em 2014.

Há cerca de dez dias, os dois voltaram a se encontrar e reafirmaram, durante jantar no Rio, a disposição de dividir palanques em vários Estados para unir forças contra a presidente Dilma Rousseff.

Dois dos locais que mais preocupam a Rede são Paraná e São Paulo, em que PSB e PSDB caminham para disputar juntos os governos.

Em São Paulo, o PSB integra o governo do tucano Geraldo Alckmin e tende a reproduzir a aliança na disputa de 2014. O presidente estadual, deputado Márcio França, é apontado como possível vice do tucano. A Rede paulista já aprovou manifesto contra a aliança e a favor de uma candidatura própria, que teria Feldman como um dos possíveis nomes.

No Paraná, o PSB é aliado do também tucano Beto Richa e deve apoiar sua reeleição. A Rede, no entanto, deve apoiar a candidatura da deputada Roseane Ferreira, do PV. Há ainda distanciamento em outros seis Estados.

Segundo a nota emitida ontem, a separação entre Rede e PSB, como deve acontecer nos dois Estados, será aceita "somente em último caso".

Para a Rede, alianças regionais com tucanos podem enfraquecer o discurso que deve embalar a candidatura da dupla Eduardo-Marina, de renovação na política.

"A Rede reafirma que no centro da estratégia eleitoral para 2014 está a busca por candidaturas que reforcem o projeto nacional da coligação", diz o texto.


Folha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

é um prazer em ter seu comentário em nosso blog