Total de visualizações de página

Horario de Brasilia

PITIMBU NOTÍCIA

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Promotorias do Meio Ambiente e Patrimônio ajuízam ação para retirada do São João da orla


Promotorias do Meio Ambiente e Patrimônio ajuízam ação para retirada do São João da orla
 As 1ª e 2ª Promotorias de Justiça do Meio Ambiente e do Patrimônio Social de João Pessoa ingressaram, na tarde desta quarta-feira (18), com uma ação civil pública com pedido de liminar requerendo que o Município de João Pessoa não realize o “São João Pra Valer” na Orla Marítima da Capital, mas no Centro Histórico, como determina o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado pela prefeitura com o Ministério Público, em 2005.

A ação requer a recuperação da área de praia já degradada, além de realizar medidas urgentes e efetivas para a mitigação dos impactos ambientais negativos sobre as Praia de Tambaú e Cabo Branco, com a consequente condenação dos promovidos por danos morais coletivos pelos danos ambientais já causados pela ação discricionário do Poder Público Municipal;

Na ação, os promotores de Justiça João Geraldo Barbosa e José Farias destacam que a decisão unilateral do prefeito e dos seus auxiliares de manter a programação do São João na orla da Capital, além de descumprir um Termo de Ajustamento de Conduta firmado e em vigência desde 2005, impõe que a Orla de João Pessoa passe a ter em seu calendário permanente mais um evento que degrada o Meio Ambiente em foco, afrontando ainda mais o que dispõe a Lei 7.661 de 16.05.1988 que instituiu o Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro e dá outras providências.

Sobretudo, o promotores ressaltam que o próprio Projeto de Compensação de Dano elaborado pela Secretaria de Meio Ambiente do Município, em face aos festejos juninos na orla de João Pessoa, apresentado na primeira audiência pública realizada na sede do MPPB na última sexta-feira (13), é a confissão da prática danosa ao meio ambiente a uma área de preservação permanente. “Outro aspecto relevante é o fato de que o Poder Público não pode fazer compensações ambientais prévias que mais se confundem com a prática de apologia aos crimes ambientais, muito menos quando estas propostas são oriundas da Secretaria de Meio Ambiente do Município, o que é uma anomalia técnica e jurídica, sobretudo quando o Município tinha a alternativa de redimensionar o seu planejamento em razão de qualquer restrição técnica porventura existente, no caso a alegada notificação do Corpo de Bombeiros, o qual em momento algum afirmou que os festejos juninos de 2014 na Capital teriam que ser realizados na orla”, dizem os promotores na ação.

“Acreditamos que o poder Judiciário não irá se curvar ao pretenso desejo de um público esperado de trinta mil pessoas, quando o meio ambiente é composto por todo o restante da humanidade, até porque, temos esta certeza uma vez que na data de 16.06.2014 o Judiciário Paraibano, através da sua eminente Presidente Desembargadora Fátima Bezerra lançou a Campanha de Sustentabilidade no âmbito do Poder Judiciário e um poder que acredita em um meio ambiente sustentável no seu próprio órgão não deverá acreditar ou concordar que na orla de João Pessoa o meio ambiente sustentável deve ir por água abaixo para prevalecer a decisão unilateral do Prefeito e seus auxiliares e assim, amparados na Justiça, possam se eximir dos atos administrativos, omissões, ausência de adequado planejamento, descumprimento de TAC, atos atentatórios a degradação do meio ambiente e outros decorrentes de contratações, licitações e realização de custos que comprometam o erário”, afirmam os promotores.

Outro ponto destacado na ação é que a prefeitura é autora de campanha pública de preservação da orla como foi amplamente divulgado na imprensa, a qual foi intitulada “Cidade Limpeza, Verão Beleza” e agora, resolve agredir o meio ambiente com a inovação das Festas Juninas no calendário da Orla de João Pessoa.

Pedidos - A ação requer a retirada imediata de todos os equipamentos instalados pelo Município de João Pessoa, através dos órgãos da administração direta, indireta, autárquica ou fundacional, ou por empresas contratadas, para promoção de eventos, shows e quaisquer outras intervenções do Município na Orla Marítima da Capital.

Também requer que o Município apresente o Plano de Recuperação de toda a Área Degradada (Prad), realizado por equipe multidisciplinar e com aprovação técnica, para não incorrer em maiores prejuízos ao meio ambiente, além da condenação ao pagamento de indenização por danos morais coletivos, a ser determinada por esse juízo, e que os valores decorrentes da reparação, sejam revertidos ao Fundo Estadual de Proteção ao Meio Ambiente (Fepama).





MPPB

Nenhum comentário:

Postar um comentário

é um prazer em ter seu comentário em nosso blog