Total de visualizações de página

Horario de Brasilia

PITIMBU NOTÍCIA

sábado, 11 de outubro de 2014

Em visita ao Nordeste: Aécio sela acordo com família de Eduardo Campos e se compara a JK

Em visita ao Nordeste: Aécio sela acordo com família de Eduardo Campos e se compara a JK
 Aos gritos de "Brasil pra frente, Aécio presidente", e "país rico é pais sem PT", o candidato à Presidência Aécio Neves (PSDB) foi recebido neste sábado por lideranças de movimentos sociais e políticos da Frente Popular, que apoiou o governador eleito Paulo Câmara (PSB), indicado de Eduardo Campos. 


Aécio Neves, comparou-se neste sábado ao ex-presidente Juscelino Kubitschek e colou na imagem do ex-governador Eduardo Campos (PSB), morto em um acidente aéreo com outros seis integrantes de sua equipe, no último dia 13 de agosto, em Santos (litoral sul de São Paulo). Aécio participou de um ato político com políticos regionais ligados a Campos e ao PSB, que ele presidia, em Recife. O local escolhido, o Clube Internacional, foi o mesmo local onde Marina Silva (PSB) começou sua campanha de primeiro turno após ser oficializada cabeça de chapa.


Aécio lembrou de Eduardo Campos, dizendo que vai encampar os sonhos do ex-governador e afirmou que seu papel não é a lógica perversa de dividir o país.


- O papel da minha candidatura é unir o país em torno de um projetor transformador - afirmou.

Nessa primeira atividade de campanha, que não estava prevista na agenda, Aécio afirmou que sua candidatura "é de todos aqueles que não aguentam mais o que está acontecendo no Brasil e que não aceitam mais as sucessivas denúncias que não cessam nunca no campo ético". O tucano criticou a capacidade gerencial do governo que, segundo ele, não consegue concluir as obras e nem cumprir os compromissos que assume.


Aécio prometeu mudar o sistema de governo que, de acordo com ele, se continuar, levará o Brasil a se tornar um Estado unitário, onde "apenas o governo central tudo tem, tudo pode, tudo decide e isso está fazendo um enorme mal ao país".

Durante a reunião, ele leu um documento e baseou a sua eventual gestão em três eixos.

- Juntos pela democracia, pela inclusão social e pelo desenvolvimento sustentável - elencou.

O tucano chegou por volta das 11h deste sábado ao Recife Praia Hotel, e foi recebido com palavras de ordem como “Brasil para frente, Aécio presidente”. Ele chegou acompanhado do governador eleito de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), do senador eleito pelo estado, Fernando Bezerra Coelho (PSB), e lideranças do PSDB e mais partidos da Frente Popular. A filha do presidenciável, Gabriela, também o acompanhou.

Aliados próximos da ex-ministra Marina Silva disseram que Aécio Neves fez o gesto esperado para o anúncio de seu apoio, ao divulgar, em Recife, uma carta aos brasileiros se comprometendo a incluir, em seu programa de governo, os pontos considerados essenciais para a candidata do PSB: não recuar na política social e avançar na política de sustentabilidade. A redução da maioridade penal, segundo aliados da socialista, não era um ponto inegociável, e que Marina se deu por satisfeita de marcar sua posição contra.


- As coisas estão acontecendo. Marina esperava esse gesto de Aécio e deve anunciar seu apoio até amanhã - disse um dos coordenadores de sua campanha após o ato de Aécio em Recife com o governador eleito de Pernambuco, Paulo Câmara, e o candidato a vice em sua chapa, Beto Albuquerque (PSB-RS).


Do hotel, Aécio segue para o Clube Internacional, onde se reúne com lideranças de 21 partidos que integram a Frente Popular de Pernambuco. Foi nesse clube que Marina Silva (PSB) fez sua primeira atividade de campanha no estado, após a morte de Campos.


Depois, Aécio visita a viúva de Eduardo Campos, Renata Campos, e, de lá segue, para Sirinhaém, na Zona da Mata, onde participa de comício. Lá, Marina obteve seu maior percentual de votos no país: 74,19%.


Aécio subiu ao palco acompanhado por três filhos de Campos –João, de 20 anos, apontado como herdeiro político do pai, fez um discurso breve --, pela avó deles, Madalena Arraes, viúva do ex-governador Miguel Arraes, pelo vice na chapa com Marina, Beto Albuquerque (PSB-RS), e por políticos regionais, entre os quais o governador eleito, Paulo Câmara (PSB), e o prefeito da capital, Geraldo Júlio. O atual governador, João Lyra, e o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, ambos do PSB, também estiveram presentes e discursaram pedindo voto ao tucano.


O senador mineiro levou a filha, Gabriela, ao ato. No discurso, chamou Pernambuco de “solo sagrado” e reforçou a amizade que mantinha com Campos. “Hoje sinto na minha alma a força e a coragem de Eduardo Campos. Se ele não pode mais estar aqui, que abençoe esse encontro”, disse. “Tínhamos certeza, não sabíamos de que forma, que um dia estaríamos juntos para construir um Brasil mais honrado e generoso”.


O tucano ainda alfinetou as críticas que o partido tem recebido, pela campanha da presidente Dilma Rousseff (PT), em relação ao eleitor nordestino –onde, apesar de a petista não ter vencido em Pernambuco, saiu vitoriosa no primeiro turno.


“Não vou aceitar que queiram dividir o Brasil em dois, entre pobres e ricos, Norte e Sul, Nordeste e Sudeste; venho para ser presidente da integração de todos, construindo alianças e pontes”, afirmou. E completou: “Serei e tentarei ser como foi Juscelino (Kubitschek), outro mineiro que assumiu a Presidência, 60 anos atrás, e que foi o presidente da integração, da diminuição das diferenças”.


O candidato ainda citou uma carta de ampliação de compromissos com aliados, apresentada mais cedo, e voltou a criticar o governo Dilma, apesar de enaltecer, sempre que pode, em seus discursos, a preferencia pela “campanha propositiva, de respeito ao adversário”: “Quero libertá-los do jugo desse governo que não respeita a democracia, não respeita reputações e seus adversários”, criticou.

O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

é um prazer em ter seu comentário em nosso blog