Total de visualizações de página

Horario de Brasilia

PITIMBU NOTÍCIA

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Marina reúne Rede nesta terça, e coligação anuncia posição na quinta

Partidos que apoiaram candidata derrotada discutem posição no 2º turno.
PSB, sigla pela qual Marina concorreu, deve decidir na quarta-feira.

Tatiana Santiago e Roney DomingosDo G1 São Paulo
O porta-voz da Rede, Walter Feldman, diante do predio onde mora Marina Silva, em São Paulo (Foto: Tatiana Santiago / G1 São Paulo)O porta-voz da Rede, Walter Feldman, diante do predio onde mora Marina Silva, em São Paulo (Foto: Tatiana Santiago / G1 São Paulo)
A candidata derrotada à Presidência Marina Silva (PSB) começa a definir na noite desta terça-feira (7) a posição que adotará na disputa do segundo turno entre Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB), informou o porta-voz nacional da Rede Sustentabilidade, Walter Feldman.
Ele esteve na tarde desta terça-feira (7) no apartamento da candidata, no bairro Vila Nova Conceição, Zona Sul de São Paulo, onde os dois conversaram por cerca de uma hora.
De acordo com Feldman, na noite desta terça, a comissão executiva da Rede Sustentabilidade se reunirá para aprovar  um "indicativo" da decisão, a ser sacramentada em um encontro do diretório do grupo, na quarta-feira (9).
Segundo Feldman, Marina deve seguir o posicionamento da Rede. "A Rede trabalha com consenso", disse. "A Marina quer ouvir a Rede."
A Rede Sustentabilidade é o grupo político de Marina Silva, que se abrigou no PSB para poder concorrer neste ano. Marina não conseguiu obter registro na Justiça Eleitoral a tempo de que a Rede pudesse disputar a eleição como um partido.
Na tarde desta quarta, a Comissão Executiva Nacional do PSB se reunirá em Brasília. Após a reunião, deve ser anunciada oficialmente a posição do partido.
No caso da coligação Unidos pelo Brasil (PSB-PPS-PHS-PPL-PRP-PSL), que sustentou a candidatura de Marina, a assessoria divulgou nota informando que na quinta-feira ela e as demais lideranças dos partidos aliados "participarão de encontro para construir um posicionamento comum da coligação" (leia a íntegra ao final desta reportagem).
Na nota, a coligação diz que as eleições "refletiram uma posição de insatisfação com as condições existentes no Brasil expressando sentimentos de mudanças", mas ressalva que "as opiniões individuais de cada partido, dirigentes e lideranças políticas das agremiações neste momento de construção devem ser respeitadas, mas não refletem em nenhuma hipótese a opinião da ex-candidata".
Marina Silva também mantém conversações com líderanças do PSB de Pernambuco, estado de Eduardo Campos, presidenciável do partido morto em acidente aéreo em agosto e a quem Marina substituiu.
Devem se encontrar com a ex-senadora na residência dela, em São Paulo, o prefeito de Recife, Geraldo Junior, o governador eleito de Pernambuco, Paulo Câmara, e o senador eleito Fernando Bezerra Coelho, todos do PSB.
Leia abaixo a íntegra da nota divulgada pela coligação de Marina Silva
NOTA DE ESCLARECIMENTO DA EX-CANDIDATA MARINA SILVA EM RELAÇÃO AO SEGUNDO TURNO DA ELEIÇÃO PRESIDENCIAL
A ex-candidata à Presidência da República pela Coligação Unidos pelo Brasil, Marina Silva, vem a público reafirmar o processo definido pelos partidos que integram a aliança para contribuir para o debate do segundo turno da disputa presidencial:
1.       Os resultados das eleições refletiram uma posição de insatisfação com as condições existentes no Brasil expressando sentimentos de mudanças.
2.     Os partidos da Coligação promoverão até amanhã, dia 8 de outubro, reuniões de suas instâncias deliberativas para definirem os pontos que consideram relevantes para a formulação de posicionamento conjunto das legendas aliadas.
3.      Na quinta-feira, dia 9, Marina Silva e as demais lideranças dos partidos aliados participarão de encontro para construir um posicionamento comum da Coligação sobre a continuidade da disputa pela Presidência da República.
4.       Marina Silva também contribuirá para a construção de uma posição da Rede Sustentabilidade nesse processo de unidade da Coligação.
5.       As opiniões individuais de cada partido, dirigentes e lideranças políticas das agremiações neste momento de construção devem ser respeitadas, mas não refletem em nenhuma hipótese a opinião da ex-candidata.

São Paulo, 7 de outubro de 2014.
ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DA COLIGAÇÃO UNIDOS PELO BRASIL

Nenhum comentário:

Postar um comentário

é um prazer em ter seu comentário em nosso blog