Total de visualizações de página

Horario de Brasilia

PITIMBU NOTÍCIA

sábado, 1 de novembro de 2014

Protestos contra Dilma e Alckmin abrem '3º turno' em São Paulo

Recém reeleitos, a presidente da República, Dilma Rousseff (PT), e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), serão alvo de dois protestos na tarde deste sábado, em São Paulo. Contra Dilma, um grupo pretende se reunir no vão livre do Masp, para iniciar uma campanha pelo seu impeachment. Mais tarde, Alckmin será confrontado pela falta de água no Estado, no Largo da Batata, zona oeste da capital paulista.
"Ou a Dilma cai ou São Paulo para" é o chamado nas redes sociais para o protesto contra a presidente. Para os seus organizadores, "a República está comprada e entregue nas mãos de uma corja de ladrões e ditadores sem quaisquer escrúpulos" e a "democracia está fragilizada". No convite para o protesto do Largo da Batata, Alckmin é apontado como o vilão da falta de água em São Paulo. "O verdadeiro culpado por essa crise não é São Pedro e sim o governador Geraldo Alckmin (...) Agora, os tucanos não tem como escapar".
 
Pelo tom dos discursos e dependendo da adesão aos dois movimentos, que pretendem ser sistemáticos contra os reeleitos, a polarização política vista no período eleitoral deverá se estender em uma espécie de "3º turno" das eleições.
Ampliar

Eleitores lamentam derrota de Aécio Neves pelo Brasil20 fotos

3 / 20
26.out.2014 - Eleitora chora a derrota do candidato à Presidência pelo PSDB, Aécio Neves, neste domingo (26), na avenida Paulista. Após uma campanha de intensa polarização no segundo turno, quem venceu a disputa foi a candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) Reinaldo Canato/UOL
 
O convite lançado nas redes sociais para o protesto contra Dilma foi colocado na rede pelo advogado Paulo Batista (PRB), 34. Ele foi candidato a deputado federal e obteve pouco mais de 16 mil votos, insuficientes para se eleger. Ficou conhecido por se apresentar como um super-herói, em vídeos na internet, disparando "raios privatizadores" sobre "comunistas".
 
Batista é paulistano, advogado, e vive em Campinas, no interior do Estado. De carona na fama, pretende ser candidato a prefeito da capital paulista em 2016. Segundo ele, a mobilização nas redes sociais é apartidária e "um fenômeno descentralizado com amplo engajamento".
 
Para Batista, ir às ruas logo após as eleições é um direito da população, descontente com o primeiro mandato de Dilma Rousseff. "Existe prazo para se protestar contra um esquema de compra de parlamentares e financiamento de campanha como o petrolão? Tal como o mensalão, este escândalo configura um atentado à democracia, e, se comprovadas as relações entre a presidente e os envolvidos, existe base para exigirmos do Congresso o impeachment da mesma", diz ele.
 
Segundo ele, o protesto é também uma forma de pressionar os parlamentares para um trabalho efetivo nas CPIs (Comissões Parlamentares de Inquéritos) "vindouras" e "garantir a liberdade de imprensa independente e honesta".
 
Thiago Aguiar, 25, do Movimento Juntos, um dos responsáveis pela convocação da manifestação "Alckmin, cadê a água?", afirma que a ideia é iniciar uma jornada de manifestações  para defender um direito básico: o direito à água. "Queremos apontar a irresponsabilidade com que o governo do Estado vem conduzindo a crise", disse ele.
 
Aguiar diz que o movimento 'Juntos' não é adepto da tática Black Bloc e não a pratica. "Temos debatido com ativistas que devemos nos mobilizar de outras formas. Achamos que essa tática joga na contramão, fazem com que as manifestações fiquem com tamanho reduzido", disse ele.

Gil Alessi e Vagner Magalhães
Do UOL, em São Paulo
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

é um prazer em ter seu comentário em nosso blog