Total de visualizações de página

Horario de Brasilia

PITIMBU NOTÍCIA

terça-feira, 9 de junho de 2015

Vereador preso por quase dois anos volta à Câmara de Bayeux

122940,362,80,0,0,362,271,0,0,0,0
O vereador e ex-policial militar Arnóbio Gomes Fernandes (PSL) retomou nesta terça-feira (9) o mandato na Câmara Municipal de Bayeux, na Grande João Pessoa. Ele esteve preso por um ano e oito meses, acusado de associação para o tráfico de drogas e crime organizado. Ele apelou da sentença em primeira instância, onde era acusado inclusive de vender armas para criminosos, e como responde em liberdade reassumiu o mandato.
De acordo com o procurador da Câmara de Bayeux, Aécio Farias, o retorno do vereador é legal. “Ele está reassumindo um mandato que o pertence. Ele outrora já tomou posse, mas que tinha sido afastado, se licenciado em virtude de sua prisão, como ele retornou a liberdade, então não existe nenhum impedimento para ele voltar ao cargo”, afirmou o procurador.
O vereador foi denunciado pelo Ministério Público do Estado e preso dentro da Câmara de Vereadores, através de mandado de prisão temporária, em agosto de 2013, que depois foi convertida em preventiva. Ele foi condenado a oito anos e seis meses de prisão, mas entrou com recurso na justiça para responder o processo em liberdade.
O promotor Marinho Mendes, do Ministério Público do Estado, entrou com uma representação na Câmara de Bayeux na tentativa de impedi-lo de reassumir o mandato, mas a ação ainda será analisada pelos vereadores, segundo informou o procurador Aécio Farias. Na representação, Marinho Mendes alega que Arnóbio Gomes Fernandes quebrou o “decoro parlamentar”.
“A representação chegou à Câmara Municipal e, na forma regimental, será lida na próxima sessão. O presidente determinou que fossem seguidas todas as normas da Casa. Essa representação foi feita pelo Conselho Estadual do Direitos Humanos. Ela diz que o parlamentar teria infringido o decoro, em virtude de ter, segundo ele, ter cometido prática delituosas”, explicou o procurador.
Embora tenha ressaltado que haverá uma decisão da Câmara de Bayeux, o procurador adiantou que, numa análise rápida, fica claro que os crimes alegados pelo promotor supostamente teriam sido cometidos antes do exercício do mandato.
 
 
Portal do Litoral
Com Correio da Paraíba

Nenhum comentário:

Postar um comentário

é um prazer em ter seu comentário em nosso blog